Google e Facebook brigam por compra do Waze por US$ 1 bilhão

 

Google e Facebook brigam por compra do Waze por US$ 1 bilhão

 Aplicativo de geolocalização israelense usa informações fornecidas pelos usuários para gerar mapas com informações de condições de tráfego

Aplicativo de geolocalização Waze é abastecido com informações do trânsito fornecidos pelos próprios usuários Foto: Divulgação
Aplicativo de geolocalização Waze é abastecido com informações do trânsito fornecidos pelos próprios usuários
Foto: Divulgação
O Google está considerando comprar a companhia israelense de navegação por satélite Waze, o que pode gerar uma guerra de ofertas da empresa com o Facebook, informou a Bloomberg citando fontes próximas do assunto.

A Waze, empresa iniciante que desenvolveu aplicativo de navegação que usa recursos de redes sociais, está interessada em um preço acima de US$ 1 bilhão e está recebendo manifestações de múltiplas partes, disse a agência citando a fonte. Outras informações publicadas pela imprensa afirmaram que o Facebook manteve negociações para comprar a Waze por até US$ 1 bilhão.

O Google e outras empresas se aproximaram da companhia israelense depois que as negociações com o Facebook se tornaram públicas, mas nenhuma das partes está próxima de um acordo, segundo a agência, que acrescentou que a Waze pode optar por continuar independente.

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

Yahoo! faz oferta para comprar serviço de vídeos Hulu



O Yahoo! apresentou uma proposta formal para comprar o Hulu, entrando para a crescente lista de interessados no serviço online de vídeos da News Corp e da Walt Disney, disseram nesta sexta-feira à Reuters duas fontes com conhecimento do assunto.

O Yahoo! anunciou nesta semana a aquisição do serviço de blogs Tumblr por US4 1,1 bilhão. E agora entra na corrida pelo Hulu, numa lista de interessados que inclui a Time Warner Cable, a DirecTV, o ex-presidente da News Corp Peter Chernin e a Guggenheim Digital Media, disseram as fontes.

Ainda era incerta a proposta feita pela companhia de internet.

Fontes disseram que Chernin fez uma oferta de 500 milhões de dólares, excluindo uma soma adicional para cobrir a dívida do Hulu e comprometimentos de programação.

Mas uma fonte próxima ao negócio disse à Reuters que sua oferta foi muito baixa, e que o Hulu pode valer de 1 bilhão a 2 bilhões de dólares.

O Yahoo! não respondeu a pedidos de comentários.

O Hulu, que gerou receita de cerca de 700 milhões no ano passado, transmite pela web show de TV de forma semelhante ao Netflix.

O Yahoo! tem ido às compras para adquirir talentos, à medida que busca engordar seus negócios com produtos e conteúdos móveis online e para dispositivos móveis, enquanto a presidente-executiva Marissa Mayer busca reviver os tempos áureos de uma empresa que já foi líder na internet.

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

Rede social que paga o usuário se inspirou em loja da Apple


                     (Claudio Gandelman, CEO e fundador da Teckler)
Em 12 dias no ar, a rede social Teckler, que paga o usuário pelo conteúdo publicado, passou a marca de 25 mil posts - "tecks", como são chamados. O resultado superou as expectativas da companhia, diz Claudio Gandelman, CEO e fundador do site. Ao Terra, ele conta que se inspirou no modelo de negócios da App Store da Apple para criar a rede social, e afirma que acredita que pagar o usuário vai ser uma postura cada vez mais presente no que chama de Web 3.0.

"É o próximo passo, uma web mais democrática", resume Gandelman. A rede social, lançada na metade de maio, repassa 70% do valor recebido de anunciantes aos usuários, de acordo com a relevância de cada post.

"A gente começou pensando em dividir o dinheiro meio a meio (entre Teckler e usuário), mas achou que seria injusto, porque a pessoa é quem está produzindo, então ela deve ganhar uma parte maior", continua Gandelman. O percentual de 70% para o usuário e 30% para a companhia foi inspirado nos valores da Apple, que fica com a mesma proporção do valor dos aplicativos que vende na App Store, deixando o restante aos desenvolvedores.

Pagamento ao usuário
Ex-presidente da Match.com para a América Latina, Gandelman conta que começou a pensar sobre o modelo de negócios quando tentou escrever um livro mas foi avisado por um amigo que sairia muito caro contratar um ghost writer - que ouve o relato e escreve o texto. "A pessoa que quer escrever alguma coisa, o que ela faz? Ela faz um blog, mas a maioria abandona, porque não tem como ficar atualizando sempre. Então pensei em criar um lugar onde as pessoas pudessem postar conteúdo interessante - em texto, foto, áudio, vídeo -, sem atualizar 100% do tempo, e receber por isso", relata.

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

Brasil aposta em startups para incentivar clima inovador



O Brasil decidiu apostar na indústria do conhecimento. O governo federal vai financiar R$ 14 milhões em novas iniciativas de pesquisa, desenvolvimento e inovação por meio do projeto Start-Up Brasil. O objetivo é apoiar empresas emergentes de software, de serviços de tecnologias da inovação e microempreendedores de todo o mundo.

A empreitada repercutiu: até o último de inscrições, nesta sexta-feira, foram registrados cerca de 10 mil downloads. Os interessados vêm de mais de 30 países diferentes, a maioria dos Estados Unidos. Logo atrás estão nações da América Latina, como Chile e Argentina. Segundo dados do Ministério de Ciências, Tecnologia e Inovação, Londres e Berlim são as primeiras da lista entre as cidades europeias.

Segundo o diretor de operações do programa, Felipe Mattos, o Brasil está passando por uma nova etapa empresarial e intelectual. "Nunca houve um número tão alto de profissionais sendo graduados ou pós-graduados. Em compração com países que estão saindo de uma crise, o Brasil está bem no sentido econômico e acadêmico." E 56% desses jovens profissionais planejam abrir a própria empresa após o término do curso, apontam pesquisas recentes.

Quem vencer a concorrência do Start-Up Brasil – serão 100 projetos selecionados até 2014 – e ganhar o financiamento, terá que cumprir o requisito máximo: todas as empresas terão que ser instaladas no Brasil, mesmo que sejam estrangeiras.

Motivação que vem de quem já está estabelecido
Além da motivação financeira, os jovens empresários terão o apoio de outras microempresas que já conquistaram seu espaço. "Começar nunca é fácil. Mas o interessante é ver que existe espaço para a sua ideia no mercado. Começamos testando direto e eu posso dizer: vale a pena", relatou o Gustavo Gorenstein, fundador da startup Poup, em entrevista para a DW Brasil.

Segundo ele, a empresa foi criada há seis meses e já dá lucro. Com uma equipe de quatro integrantes, a Poup adotou o sistema cashback, que devolve porcentagens em dinheiro aos clientes que fazem compras online com parceiras da microempresa. "Para a nossa geração, o mercado está aquecido. Hoje, todos têm a oportunidade de abrir uma empresa."

Já Marcos Roberto Martins, dono da Urbanizo, corretora de imóveis online que já funciona há dois anos, resolveu ser mais cauteloso – o que custou bastante tempo e paciência da equipe. "O começo foi muito difícil. Foram muitas madrugadas em claro, mas os investimentos vieram rápido, porque as parceiras realmente se interessaram pelo nosso projeto", relatou. Segundo ele, as startups se relacionam em um clima mais harmonioso. "Não existe aquela frieza e nem aquela briga ávida pelo poder das grandes empresas. O objetivo é automatizar sem que a empresa cresça demais. Nós somos uma família."

Apoio sem limites
De acordo com Virgílio Almeida, do Ministério de Ciências, Tecnologia e Inovação, os subsídios não se resumem à ajuda financeira inicial. "Se as pequenas empresas escolhidas se mostrarem estáveis no fim do primeiro ano, elas recebem mais R$ 105 milhões das aceleradoras para continuar investindo em seus projetos. Nós queremos fortalecer o ambiente para empresas nascentes de base tecnológica."

O objetivo é aumentar a competitividade das startups na área de tecnologia de informação no Brasil e sustentar este ecossistema ativo. "Nós ainda estamos construindo uma cultura de apoio de investimento neste tipo de empreendimento, a fim de gerar bons negócios e promover o desenvolvimento econômico do país. Estamos deixando de apoiar um empreendedorismo de necessidade para abrir espaço para um empreendedorismo de oportunidades", disse Mattos.

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

NEGÓCIOS E TI

Dell pede para acionistas votarem compra por US$ 24,4 bilhões

 

A Dell pediu aos acionistas na sexta-feira para votarem a oferta de compra de US$ 24,4 bilhões liderada pelo fundador e presidente-executivo, Michael Dell, em uma reunião extraordinária em 18 de julho, dizendo que a oferta era superior a outras opções estratégicas.

O investidor ativista Carl Icahn e a Southeastern Asset Management lançaram uma contra proposta de US$ 21 bilhões para a Dell no início deste mês, que permitiria que os acionistas mantenham suas ações.

O Conselho da Dell disse em uma carta aos acionistas que analisou a possibilidade de continuar ou modificar o plano de negócios da fabricante de PCs, alterando a sua política de dividendos, vendendo a um comprador estratégico, e vendendo ou separando partes do negócio. A oferta de Icahn não foi mencionada.

"A venda para Michael Dell/Grupo Silver Lake ... é a melhor alternativa disponível - em um ambiente de negócios desafiador, proporciona segurança e um prêmio muito consistente sobre os preços de negociação antes do anúncio", disse a empresa.

Icahn alertou que, se a sua proposta de recapitalização alavancada for rejeitada, ele reuniria acionistas para votarem contra a oferta de Michael Dell.

Icahn fez vários pedidos de informações para a Dell, incluindo um pedido de acesso à sala de dados para um potencial credor.

Mas a empresa se recusou, dizendo que não iria fornecer mais informações, a menos que o Conselho determinasse que a proposta de Icahn era superior.

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

Aconteceu 2013


Imagem 83/83: 31.mai.2013 - A vaidade fez com que Albert Wilson, 19, fosse preso pela polícia pelo roubo do smartphone de um adolescente de 16 anos em Nova York (EUA). De um Samsung Galaxy Epic, Wilson tirou uma foto de si mesmo, sem saber que o aparelho estava configurado para mandar e-mails automaticamente para o dono com as imagens. O adolescente entregou a foto à polícia, que identificou Wilson. O suspeito foi indiciado por roubo e aguarda audiência sobre a fiança

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

Facebook cria novas políticas para combater discursos de ódio

 
Uma das mudanças exige que os usuários se identifiquem e sejam responsáveis pelos conteúdos potencialmente nocivos que postaram
O Facebook admitiu que pode fazer um trabalho melhor na remoção de certos tipos de discurso de ódio no site, e está introduzindo algumas novas políticas para melhorar o seu histórico.
A rede social, na sua atual Declaração de Direitos e Responsabilidades, proíbe "discurso de ódio", mas nos últimos dias os sistemas da empresa que identificam e removem esse tipo de discurso não funcionaram de forma tão eficaz quanto poderiam - principalmente em torno de questões de ódio com base no gênero, afirmou o vice-presidente de políticas públicas globais do Facebook, Marne Levine, em um post na terça-feira (28).
As mudanças também vêm em meio a preocupações manifestadas por grupos como o "Women, Action and the Media" e o "Everyday Sexism Project" sobre conteúdos de ódio e violência que tem como alvo as mulheres. Em alguns casos, por exemplo, o conteúdo não foi removido suficientemente depressa, ou o que deveria ser removido foi avaliado utilizando critérios ultrapassados, disse Levine.
Em essência, as diretrizes que a rede social utiliza para responder às denúncias de violações não conseguem capturar todo o conteúdo que viola as normas da empresa, disse o Facebook.
"Precisamos fazer melhor - e faremos", disse Levine.
MudançasComo parte das mudanças - que entrarão em vigor imediatamente, o Facebook solicitará feedback de juristas e outros (como representantes de grupos femininos) para atualizar as diretrizes que o site usa para avaliar relatórios de ódio. Esses mesmos tipos de recursos também serão usados ​​para atualizar o treinamento de equipes que avaliam os relatos de discurso de ódio ou conteúdo prejudicial, afirmou a empresa.
Uma das mudanças mais interessantes visa responsabilizar as pessoas que postam conteúdos que não se qualificam como discurso de ódio, mas ainda assim são crueis e insensíveis.
O Facebook começou a testar essa nova exigência há alguns meses, solicitando a qualquer pessoa que poste mensagens contendo "humor cruel ou insensível" que mantenha a sua identidade real para que o conteúdo permaneça no site, disse o Facebook.
A ideia é que, por ter pessoas respondendo por sua postagem, outros usuários possam identificar o responsável e se opor diretamente a ele. O Facebook continuará a desenvolver esta política com base em seus resultados - que até agora "indicam estar ajudando a criar um ambiente melhor para os usuários do Facebook", disse a empresa.
A rede social, que tem como slogan "tornar o mundo mais aberto e conectado", reconhece que caminha sobre uma linha tênue entre facilitar a liberdade de expressão e também fazer a sua plataforma segura e respeitosa.
A empresa também tem se esforçado para distinguir o discurso do ódio de conteúdo comparativamente menos ofensivo - como humor negro. "Nesses casos, nós trabalhamos para aplicar políticas justas, atenciosas e escaláveis", disse Levine.
Como o site cresceu - e atraiu mais de 1 bilhão de usuários, "nós constantemente reavaliamos nossos processos e políticas", disse a companhia.

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

Erro 404: por que os nerds cultuam o café?


Você conhece algum nerd? Você já viu algum nerd? Você sabe onde eles vivem, o que comem e para onde vão no inverno? Bem, mesmo que não saiba a resposta para todas essas perguntas, você já deve ter imaginado que estamos falando daquele seu amigo que sabe tudo sobre tecnologia e/ou lê quadrinhos e/ou é fera em todas as matérias do colégio.
Se fosse necessário descrever um nerd na década de 1990, o resultado seria muito diferente do atual, pois agora os nerds são descolados. Isso mesmo, eles não usam mais óculos de fundo de garrafa e não têm vergonha de conversar com garotas — pelo menos alguns deles. E como todo ser humano faz (ou deveria fazer — nós amamos café aqui no Tecmundo!), eles gostam de café.
Mas de onde surgiu esse culto à bebida que surge dos cafezais e se espalha por todo o planeta? E mais, por que os nerds se apegaram tanto às canecas a ponto de dedicar horas de suas vidas na apreciação dos diferentes sabores possíveis? Para responder essa questão, o nosso departamento secreto de invenção de fontes entrevistou vários teóricos. Confira agora mesmo as hipóteses possíveis.

Hipótese 1:. A influência dos maias na cultura nerd

Por vários anos, todo o planeta temeu a chegada do apocalipse que seria iniciado no dia 21 de dezembro de 2012 — você deve se lembrar disso, não é mesmo? Foram filmes tratando do assunto, historiadores debatendo sobre o tema e grupos de amigos não falavam de outra coisa. O grande responsável pelo medo era uma profecia maia, que teria sido encontrada em escrituras na América Central.
Erro 404: por que os nerds cultuam o café? (Fonte da imagem: iStock)
E sempre que alguém vai atrás de informações sobre a profecia maia, acaba chegando na página da Wikipédia que fala sobre o povo em questão. Como todo nerd que se preze, as pessoas que chegavam nessa etapa do processo continuavam pesquisando e iam parar nos países em que os maias agiram durante séculos e assim descobriam influências culturais que restaram até hoje.
A principal delas você já deve imaginar. Estamos falando da exportação de café. Sim, você pode não saber, mas segundo o professor Jaiminho Júnior (suplente de substituto da Universidade de Tangamandápio), os maias produziam muito café e trocavam por outras mercadorias com os astecas, incas e outros povos pré-colombianos. E depois de ler a palavra “café” tantas vezes, fica realmente difícil não querer tomar uma xícara.

Hipótese 2: Café é bom

Essa hipótese é irrefutável! O redator deste artigo está dizendo isso sem medo de ser julgado! Só não vale tomar café e fazer careta. Por falar nisso, como vocês preferem o café de vocês? Assim que o bonitão terminar a pausa para o cafezinho, teremos uma hipótese que preste.

Hipótese 3: estudar demanda energia

Infelizmente, não é possível comprar elixires de HP ou Mana quando estamos na vida real. Fora dos games, as pessoas sentem sono quando ficam muito tempo acordadas, o que não é compatível com a vida acadêmica em alguns momentos. Quem faz faculdade sabe que a rotina de trabalhos e provas faz com que seja praticamente impossível dormir mais do que cinco horas em uma noite.
Erro 404: por que os nerds cultuam o café? (Fonte da imagem: iStock)
E isso não é de hoje. Desde os anos 1970 os estudantes universitários precisam passar por essa rotina estafante — há quem diga que é isso que nos prepara para a vida adulta, mas também há quem diga que a vida adulta é um pouco mais fácil que a faculdade. E, desde aquela época, somente os alunos mais aplicados é que faziam de tudo para estar com as matérias em dia. E quem são esses alunos? Os nerds, geeks e CDFs, é claro!
Agora, tudo o que temos que fazer é somar as duas informações que já temos: a) é preciso ficar acordado e não existe elixir mágico + b) os geeks são os que fazem isso. Como resultado da soma, chegamos ao “Mas o que pode me ajudar nisso, Tecmundo?”. A resposta é simples: café — e sua admirada e viciante cafeína.

Hipótese 4: tá tudo na moda

Gostar de café está na moda e ser nerd também — é a famosa geração “banzingueira”. Por associação, as pessoas que se adaptam a uma das modas também se adaptam à outra. Logo, não há explicação mais plausível do que a de que grande parte dos jovens nerds viciados em café está apenas buscando autoafirmação.
Erro 404: por que os nerds cultuam o café?Café! Café! Café! (Fonte da imagem: ShutterStock)
E isso está escrito no terceiro livro da série “Costumes das pessoas que gostam de ter costumes”, escrito pelo psicólogo Johan Santos de Almeida. Na obra, ele dedica um capítulo inteiro para ensinar as pessoas a identificarem falsos apaixonados por café. “Pediu com leite, cappuccino, frappuccino ou fez careta? Fake!”.

Hipótese 5: café é bom!

Essa já foi, né!?

Como preparar um bom café em dois passos

  1. Entre em uma padaria de bairro;
  2. Peça um café.
Não importa o país, a qualidade do grão, o método da torra ou a forma como foi preparado. Nenhum café do mundo será tão bom quanto aquele que custa R$ 1 e pode ser comprado em qualquer padaria de bairro.
.....
Atenção: este artigo faz parte do quadro "Erro 404", publicado semanalmente no Baixaki e Tecmundo com o objetivo de trazer um texto divertido aos leitores do site. Algumas das informações publicadas aqui são fictícias, ou seja, não correspondem à realidade. 

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

Ops! Celular some e foto de mulher é postada no Facebook do dono

Ops! Celular some e foto de mulher é postada no Facebook do dono (Fonte da imagem: Reprodução/Facebook)
Você já imaginou perder seu celular e alguns dias após o ocorrido alguém postar uma foto no seu próprio perfil do Facebook?
Esse estranho fato ocorreu com André Batista, um fotógrafo que perdeu seu iPhone em um ônibus de São Paulo.
Quando André se deu conta do problema, sem saber se foi por seu próprio descuido ou por algum tipo de roubo, registrou um boletim de ocorrência por furto ou perda.
Ele disse que ligou para o aparelho inúmeras vezes e não conseguiuqualquer retorno, além de tentar encontrá-lo, sem sucesso, por um aplicativo específico de geolocalização.

A surpresa fotogênica

Alguns dias após o ocorrido, uma surpresa um tanto estranha apareceu no perfil do Facebook de André. Uma mulher completamente desconhecida publicou uma foto logada na conta dele, exibindo o tal celular desaparecido. Ele tentou o contato outra vez, porém ela desligou o celular e não retornou as ligações.
Aparentemente, o celular foi encontrado e comercializado para uma pessoa que não soube deslogar dos apps do aparelho. André relatou essa história no seu perfil do Facebook, publicando uma foto da mulher enigmática na postagem para tentar encontrá-la – imagem que já alcançou mais de 32 mil compartilhamentos.

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

13 impressoras 3D já disponíveis no Brasil

O início desta década marcou também o início da expansão do mercado de impressoras 3D, pelo menos no Brasil. Por aqui, a procura por esses equipamentos gerou não apenas importações, mas também o surgimento de empresas 100% nacionais que ganham cada vez mais espaço no setor de prototipação e modelagem tridimensional.
Até o momento, pelo menos duas companhias recém-criadas são responsáveis pelo setor brasileiro de impressoras 3D, fazendo companhia para nomes mais antigos e consagrados do mercado mundial. Isso quer dizer que as opções para quem quer investir em uma máquina dessas incluem tanto importar de fora quanto comprar aqui mesmo.
Nós separamos alguns modelos que já podem ser comprados aqui do Brasil, seja por compra direta daqui ou por importação. Nós separamos 13 modelos e, no caso de produtos que são apenas variações de outro equipamento ou pertencem à mesma linha, eles são agrupados em um mesmo tópico.

1.  Cliever CL-1

13 impressoras 3D já disponíveis no BrasilCliever CL-1 (Fonte da imagem: Divulgação/Cliever Tecnologia)
Esta é a primeira impressora 3D 100% brasileira. Ela foi criada pela Cliever Tecnologia, empresa incubada na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), e lançada no mercado em junho do ano passado. Ela usa a tecnologia de fabricação por filamento fundido (FFF), ou seja, trabalha com um filamento plástico como matéria-prima para criar objetos em 3D.
A impressora é fabricada em aço e carbono e traz guias lineares em aço inox para a movimentação interna de suas peças, pesando aproximadamente 12 kg. Na loja online da fabricante, é possível encontrar modelos em três cores diferentes, todos com 1 kg de filamento plástico de brinde, por R$ 4.650.

2. Metamáquina 2

13 impressoras 3D já disponíveis no BrasilMetamáquina 2 (Fonte da imagem: Divulgação/Metamáquina (Facebook))
Segundo a página oficial da Metamáquina, empresa responsável por esta impressora, a ideia é oferecer produtos que mesclam qualidade e baixo custo, sendo então a primeira com tal enfoque no país. Todas as máquinas são operadas com software livre e hardware aberto, ou seja, o aparelho pode ser modificado e aprimorado pelos usuários conforme suas necessidades.
Em janeiro de 2013, a companhia apresentou seu segundo modelo, a Metamáquina 2. Ela também usa o método FFF para a impressão dos objetos, pesa 9 kg e traz guias em aço cromado retificado. O nome da empresa e do produto vem do fato de os primeiros modelos terem sido produzidos a partir de peças impressas em uma máquina de prototipação rápida, ou seja, uma impressora 3D. Você compra uma dessas por R$ 3,7 mil.

3. Linha Cube

13 impressoras 3D já disponíveis no BrasilCube (Fonte da imagem: Divulgação/Robtec)
A Cube não é um produto brasileiro, mas desde o último mês de abril é comercializada aqui pela Robtec, representante da companhia estadunidense 3D Systems. Ela traz conexão WiFi, ou seja, pode ler arquivos sem estar conectada via cabo a outro dispositivo, e imprime em materiais ABS e PLA, que oferecem resistência e brilho, respectivamente, aos objetos.
Além disso, a Cube trabalha com até cinco cores e vem com um software para Windows e Mac, que permite a criação rápida de desenhos, dispensando o uso de ferramentas mais avançadas como AutoCAD e outros aplicativos de modelagem em 3D. O equipamento é vendido aqui por R$ 6.690 e traz modelos em várias cores.
A CubeX, versão aprimorada da Cube, também é vendida no Brasil pela Robtec e não precisa ser importada. Ela tem cara de máquina de prototipação compacta, mas trabalha de forma profissional, com três modos de resolução de impressão, suporte a cores vibrantes, modelos com até três cabeçotes e maior área de impressão. Você pode adquirir uma por cerca de R$ 11 mil.

4. Linha UP!3d Printer

13 impressoras 3D já disponíveis no BrasilUP! Mini (Fonte da imagem: Divulgaçãu/UP!3d Brasil)
As máquinas da marca UP!3d são outras já comercializadas no Brasil. A loja online da companhia conta com uma versão em nosso idioma, totalmente desenvolvida para o público brasileiro, e oferece dois modelos: UP! Mini e UP! Plus, que custam R$ 4,6 mil e R$ 6,4 mil respectivamente.
Como seus nomes deixam bem claro, a segunda é maior do que a primeira. Além disso, a Plus é mais precisa e tem um volume de impressão quase 50% maior do que o da Mini, o que justifica também o fato de ser a mais cara das duas.

5. Linha MakerBot

13 impressoras 3D já disponíveis no BrasilMakerBot Replicator 2 (Fonte da imagem: Divulgação/MakerBot)
Um dos modelos mais conhecidos do mundo, a linha Makerbot  também pode ser adquirida diretamente no Brasil. Por meio da representante TekTrade International, é possível comprar a MakerBot Replicator 2 por cerca de R$ 11 mil e a MakerBot Replicator 2X por R$ 12,5 mil.
Elas são acompanhadas também de um software próprio para a criação de objetos em 3D, bem como suportam arquivos no formato STL, OBJ e Thing. A MakerBot 2X trabalha com dois canhões de impressão, o que dobra a velocidade do processo.

6. Linha ProJet

13 impressoras 3D já disponíveis no BrasilProJet 3500. (Fonte da imagem: Divulgação/3D Systems)
Uma das máquinas do gênero mais caras da atualidade pertence à linha ProJet, da 3D System. A ProJet 3500 oferece ultrarresolução e um ritmo industrial na produção de objetos em 3D, com capacidade para criar um grande volume de itens em relativamente pouco tempo. Para ter uma dessa, no entanto, o investimento é enorme: o modelo básico é vendido pro R$ 200 mil, sem o valor do frete incluso.
Dois modelos “básicos” da 3D Systems são a ProJet 1000 e a ProJet 1500. Elas são praticamente idênticas, tendo como diferença entre si o desempenho aprimorado do modelo 1500: ela oferece itens com superfície mais lisa e trabalha com seis cores diferentes.
Ambas produzem em alta velocidade e com alta resolução, são compactas e prometem ser silenciosas. Elas custam, respectivamente, US$ 15,5 mil (algo em torno de R$ 35 mil) e US$ 19 mil (aproximadamente R$ 38 mil).
Todos os modelos da linha ProJet precisam ser importados, o que é feito pela própria Robtec, por isso seus preços oficiais estão em dólares.

7. Linha Zprinter

13 impressoras 3D já disponíveis no BrasilZprinter 150 (Fonte da imagem: Divulgação/3D Systems)
Capaz de imprimir até 20 mm por hora, as máquinas da linha Zprinter, também da 3D Systems, oferecem uma velocidade acima da média em relação às suas concorrentes. Elas também se destacam por contarem com matérias-primas mais baratas, e seus dois modelos se diferenciam pela capacidade que o Zprinter 250 tem de fazer impressões coloridas.
Nesse modelo, você trabalha com até 64 cores diferentes e ele custa US$ 27,7 mil dólares, valor próximo dos R$ 60 mil. Já o modelo monocromático, Zprinter 150, pode ser adquirido via Robtec por US$ 16,6 mil, algo em torno de R$ 35 mil.
Todos os modelos da linha Zprinter precisam ser importados, o que é feito pela própria Robtec, por isso seus preços oficiais estão em dólares.

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

Windows 8.1: Microsoft revela o retorno do Botão Iniciar e novos detalhes

Na quinta-feira (30/05), a Microsoft finalmente oficializou as modificações trazidas pelo Windows 8.1, também conhecido como Windows Blue.
A atualização não fará nenhuma mudança drástica no sistema, mas são os muitos ajustes na interface, em conjunto com novos gestos, que prometem melhorar a usabilidade do sistema operacional.
Algumas das novidades já foram vistas em builds vazadas nas últimas semanas, a exemplo da possibilidade de trabalhar com dois aplicativos lado a lado na interface nova, com opção de ajustar a largura de cada um deles na tela.
A atualização será inteiramente gratuita para quem comprou o Windows 8, e passará a ser distribuída no dia 26 de junho — mesma data em que começa o evento BUILD 2013. Abaixo você confere todos os detalhes.

A pegadinha do Botão Iniciar

A primeira modificação que deve chamar a atenção de todos é o retorno do Botão Iniciar, mas muita calma: ao clicar nele você não verá um menu. O novo botão é simplesmente um atalho para voltar à interface Modern (a Tela Iniciar), algo que já podia ser feito rapidamente com um toque na tecla Windows do teclado.
Novo mouse Microsoft com Botão Iniciar (Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)
Neste ponto, usar programas de terceiros para regressar ao comportamento do Windows 7 ainda é a melhor opção.
Outra notícia é a chegada definitiva do boot direto para a Área de Trabalho, eliminando o incômodo de ter que navegar até ela a cada inicialização do PC.

Novos formatos de Live Tiles

Falando na Tela Iniciar do Windows 8, temos mais duas mudanças importantes. Em primeiro lugar estão os novos tamanhos para os ícones. O extra pequeno, visto na imagem abaixo, permite quatro Tiles onde antes só cabia um. É o formato ideal para quem não quer ficar rolando a tela de um lado para o outro.
Novo formato pequeno para os Live Tiles (Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)
Já o tamanho extra grande foi pensado para aplicativos que precisem exibir dados diretamente na tela inicial, como a previsão do tempo, que carrega uma imagem de fundo e ainda mostra as condições climáticas da sua cidade favorita para hoje e amanhã. Esta é uma oportunidade de tornar os aplicativos dinâmicos, podendo ao mesmo tempo embelezar a sua interface.

Um sistema mais personalizado

A partir do Windows 8.1 será permitido utilizar o mesmo papel de parede nas duas interfaces, o que deve diminuir o choque na transição de telas. Ainda assim, quem gosta do novo estilo visual contará com mais opções de personalização, tanto para o plano de fundo quanto para as cores do sistema.
O destaque vai para os planos de fundo animados, similares aos vistos no Android. Alguns exemplos possuem robôs voadores, dragões com caudas em movimento, entre outros. A animação é simples a ponto de não distrair o usuário em suas tarefas, mas pode dar um pouco mais de vida à interface.

Busca aprimorada

Hoje a busca do Windows 8 divide os seus resultados de acordo com categorias, como aplicativos, arquivos e configurações. O formato tentou facilitar a seleção do conteúdo, mas muita gente ainda não entendeu direito o funcionamento dos filtros.
Para resolver o problema, o Windows 8.1 trará um novo sistema global de busca. Isso significa que todo o conteúdo será indexado na mesma tela, sem necessidade de cliques adicionais. A ferramenta poderá ser acessada de qualquer parte do sistema pelo comando Windows + S.
Outra vantagem é a interação com o conteúdo diretamente da busca. É o caso das músicas, que podem ser reproduzidas ali mesmo, com uma pesquisa pelo nome do artista.
Além disso, a Microsoft também prepara outra surpresa: integração com resultados da web. É o que a empresa chama de “Search Hero”. A ferramenta é capaz de pegar uma busca por um artista, por exemplo, e oferecer informações retiradas da Wikipedia, ou ainda links diretos para shows e filmes relacionados, entre outros.
AmpliarResultados da nova busca (Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)
A melhor parte é que os resultados estão ligados aos devidos aplicativos, tais como Netflix e Wikipedia, abrindo estes em vez de uma simples tela no navegador de internet. Stefan Weitz, diretor da equipe de busca da Microsoft, afirma que este é apenas o início da integração do Bing com o Windows, e que o objetivo é expandir este funcionamento para todas as plataformas em breve.

Aplicativos melhores e mais inteligentes

Nada de atualizar manualmente os seus aplicativos da Windows Store. A migração para a versão 8.1 cuidará de tudo automaticamente em plano de fundo. A nova loja traz recomendações melhores de conteúdo, ícones maiores com notas dos usuários já na busca e acesso fácil para listas dos mais baixados, tanto pagos como gratuitos.
Novos downloads não serão adicionados automaticamente à sua Tela Iniciar. Este foi um dos problemas identificados na atual versão, já que os usuários ficavam em pouco tempo com a tela lotada de ícones desnecessários.
A solução está na nova tela com todos os aplicativos instalados no computador, acessada com um comando de deslizar os dedos para cima na interface. A lista exibida pode ser reordenada por nome do aplicativo, data de download ou categoria. Ainda tratando dos aplicativos do Windows 8, vamos às modificações feitas pela Microsoft em alguns dos principais deles:

Painel de Controle

As opções de configuração avançada de sistema estavam confusas e diluídas em muitas telas, tanto na nova interface quanto no modo Desktop. Agora todos os ajustes receberam o tratamento Modern e podem ser acessados pela nova interface.

Internet Explorer

A versão Modern do navegador agora está mais parecida com a disponível para o Desktop. Isso significa que não há mais limites para quantas abas podem ser abertas simultaneamente. Elas agora foram parar na parte de baixo da tela, logo acima da barra de endereços do navegador.

Fotos

O visualizador de imagens passou por um upgrade e ganhará diversas ferramentas de edição. O primeiro grupo delas oferece ajustes automáticos e controle manual sobre equilíbrio de cores, de temperatura da imagem, saturação e cor.
Versão atual do aplicativo (Fonte da imagem: Reprodução/Microsoft)
Amantes do Instagram ficarão felizes com a presença de filtros de imagem, retoques para olhos vermelhos, desfoque seletivo e ferramentas de recorte. Por fim, temos a opção de aprimoramento de cor avançada, que funciona em regiões específicas da imagem. Pela descrição da Microsoft, o funcionamento será similar ao de aplicativos como o Snapseed — comprado pela Google no ano passado.

Lista de leitura

Os usuários do sistema vinham pedindo por uma forma de salvar seus conteúdos prediletos e de compartilhá-los na web. Com este aplicativo você pode adicionar qualquer conteúdo da internet à sua lista de leitura para continuar depois, até mesmo em outros dispositivos, já que ela será compartilhada usando a sua conta da Microsoft.

Calculadora

Parece brincadeira, mas a calculadora ainda não tinha uma versão para a nova interface do Windows. Em sua nova versão ela terá modo científico de operação, além de um conversor de unidades embutido.

E ainda tem mais...

Xbox Music, Relógio, Bing para restaurantes e Bing para Saúde e Fitness. Estes últimos quatro aplicativos também serão parte integral da seleção da Microsoft para o Windows 8.1. No caso do Xbox Music, a Microsoft afirma que a interface foi reformulada para dar mais atenção à sua biblioteca de músicas, e que em breve teremos uma opção de rádio online, mas nada além disso foi divulgado.

Integração com o SkyDrive

Depois da atualização, o SkyDrive será usado como a opção padrão para salvar todos os documentos. Isso significa que ele está mais integrado ao sistema como um todo, deixando de ser somente um dos vários aplicativos da Microsoft.
(Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)
Em termos de melhorias, o sistema agora fará com que a sincronização dos seus arquivos seja respeitada por meio de verificações mais frequentes e confiáveis. O usuário tem controle sobre quais tipos de arquivo devem ser enviados ou não para a nuvem. Ainda tratando do SkyDrive, a Microsoft adicionou um modo de pré-visualização, para que não seja necessário baixar um documento inteiro somente para se ter uma ideia do seu conteúdo.

Pequenas melhorias na interface

Confirmando o que já havia sido relatado em testes de builds anteriores, o Windows 8.1 permite a redistribuição do espaço de tela para os aplicativos da Windows Store. Atualmente esta proporção é travada em 80/20, o que atrapalha quem gosta de fazer várias coisas ao mesmo tempo.
Além de poder ajustar a largura de cada janela livremente, telas de altíssima resolução permitirão que até quatro aplicativos da nova interface sejam usados simultaneamente. A Microsoft afirma que o sistema agora é inteligente o bastante para saber qual destes aplicativos exige mais ou menos espaço.
(Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)
Finalizando a enorme rodada de novidades do Windows 8.1, vamos ao teclado virtual do sistema, essencial para os usuários de tablets ou notebooks conversíveis. Agora cada tecla tem uma função secundária.
Ao apertar de forma demorada o “T”, por exemplo, você vê um pop-up com o número 5. O funcionamento é similar ao de teclados como os presentes no iOS e no Android, com a diferença de que não é preciso esperar até que o comando secundário apareça para ativá-lo com uma breve deslizada de dedos.

Em constante transformação

Se você chegou até aqui, deve saber que as mudanças são muitas. Apesar da sutileza de algumas delas, a expectativa é de que o Windows 8.1 corrija muitas das falhas apontadas pelos usuários. A Microsoft parece estar de olhos vidrados nas reclamações, o que significa que o sistema só tende a melhorar.
Mais uma vez, reforçamos que o lançamento ocorrerá no dia 26 de junho, data que acompanha o início da conferência BUILD 2013. Faremos os testes do sistema e a cobertura completa aqui no Tecmundo. Fiquem ligados!

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

Xbox One: 13 perguntas e respostas sobre o novo console

O anúncio do Xbox One foi cercado de muita polêmica. Por mais que muita gente tenha se empolgado com as novidades apresentadas pela Microsoft, a empresa conseguiu deixar os fãs cheios de dúvidas sobre o que está por vir. Perguntas não respondidas, recursos sem explicação e rumores ainda em aberto serviram para frear um pouco a animação e deixar toda a indústria com um pé atrás quanto aos planos da companhia para a próxima geração.
E boa parte da “culpa” dessa situação foi o pouco tempo que a empresa utilizou para apresentar seu novo sistema. Como boa parte do evento foi utilizada para mostrar a conectividade do aparelho com as inéditas funções de TV, muito daquilo que realmente importa para a maioria dos jogadores acabou ficando em segundo plano — ou melhor, para a E3 —, o que levantou algumas incertezas.
Xbox One: 13 perguntas e respostas sobre o novo console (Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)
Para deixar a situação ainda mais complicada, a própria Microsoft não colaborou, trazendo informações conflitantes ou prometendo explicar o funcionamento de alguns recursos em breve — e deixando todo mundo no vácuo. Essa falta de detalhes é terreno fértil para rumores, o que é muito perigoso a essa altura do campeonato. Prova disso é que já tivemos valores de ações despencando e dezenas de críticas a um console que mal demonstrou seu verdadeiro potencial.
É exatamente para tentar tirar um pouco dessa má impressão deixada pelo anúncio do Xbox One que decidimos trazer as perguntas mais recorrentes sobre o sucessor do Xbox 360 na tentativa de entender um pouco das estratégias da companhia e ter uma ideia do que está por vir.

1. O Xbox One vai rodar jogos usados?

Talvez a maior polêmica relacionada ao Xbox One seja exatamente a questão de uso de jogos usados. Por mais que a Microsoft não tenha tocado no assunto durante sua conferência, a discussão veio à tona em entrevistas logo após a apresentação do aparelho, ganhando volume graças às explicações pouco claras e às informações desencontradas. Como resultado, o desespero tomou conta dos jogadores.
Xbox One: 13 perguntas e respostas sobre o novo console (Fonte da imagem: Reprodução/Cinemablend)
E mesmo em meio a tanta confusão, uma coisa é certa: o novo Xbox vai realmente trazer uma nova política de jogos usados. O gerente de comunidade da empresa, Larry “Major Nelson” Hryb, até tentou deixar a questão em aberto, afirmando que ainda estamos a meses do lançamento e que essas políticas ainda não foram finalizadas, mas outras declarações já deixam bem claro o que podemos esperar.
Tudo começou com uma resposta evasiva do próprio Hryb. Quando questionado sobre um possível bloqueio do One a games seminovos, ele explicou que o console foi feito para permitir que os consumidores possam trocar e revender seus títulos, mas não entrou em detalhes sobre isso. O problema é que essa explicação ficou bastante evasiva e as "investigações" surgiram.
Quando questionado sobre a necessidade de pagarmos alguma taxa para ter acesso a esses jogos usados, Major Nelson explicou que você não precisa se preocupar com uma cobrança extra ao levar seu disco para a casa de um amigo e jogar conectado em sua conta. No entanto, e se eu tentar entrar em outro perfil?
A resposta definitiva veio do vice-presidente corporativo da Microsoft, Phil Harrison. Em entrevista ao site Eurogamer, ele explicou que os jogos do Xbox One contarão com um código de uso único que será associado à sua conta na Live e que é por isso que o aparelho precisa se conectar à internet pelo menos uma vez por dia.
Xbox One: 13 perguntas e respostas sobre o novo console (Fonte da imagem: Reprodução/Kotaku)
Por conta disso, qualquer outra pessoa que tente usar aquele jogo em outro aparelho vai encontrar um pequeno bloqueio que só é eliminado mediante pagamento — a famigerada taxa que despertou o ódio de toda a comunidade. Em outras palavras, é como se você tivesse de comprar a licença para ter acesso ao conteúdo daquele jogo, mesmo com o disco dentro do console.
E isso fez com que muita gente desse como certo o fim da venda e troca de jogos — o chamado mercado cinza, que há tempos vem incomodando a indústria de games. No entanto, a Microsoft fez questão de acalmar os ânimos e dizer que não é bem assim e que haverá um sistema próprio que vai viabilizar isso. Alguns rumores chegaram a detalhar como isso vai funcionar, mas, até agora, não há nenhum comentário oficial sobre o assunto.
Para finalizar a novela que se formou, Major Nelson fez uma publicação em seu blog oficial para acabar de uma vez por todas as suposições criadas em torno do assunto. Em seu texto, ele confirma que o Xbox One terá suporte à troca e revenda de jogos, pois se trata de algo importante para os jogadores. Contudo, ele afirma que os rumores sobre as políticas relacionadas a isso são imprecisas e incompletas e que mais detalhes serão revelados em breve.
Xbox One: 13 perguntas e respostas sobre o novo console (Fonte da imagem: Reprodução/Ztgd)
No fim das contas, ele apenas falou que nada disso é verdade, mas saiu pela tangente sem esclarecer nada. A impressão que temos é que a Microsoft percebeu que os consumidores não receberam tão bem a novidade e, por conta disso, está tentando redefinir sua estratégia enquanto há tempo.

2. Meu Xbox One vai precisar estar sempre conectado?

A polêmica sobre a exigência de uma conexão à internet surgiu antes mesmo de a Microsoft apresentar o Xbox One. E se os rumores já deixavam muita gente preocupada, a coisa ganhou proporções inimagináveis após um funcionário da empresa decidir dar sua opinião sobre o assunto. Quando Adam Orth veio defender a política do “sempre online”, a ira dos fãs mostrou que eles não querem nada disso e ainda fez com que o rapaz perdesse seu emprego.
Xbox One: 13 perguntas e respostas sobre o novo consoleSkype é um dos vários serviços online do One (Fonte da imagem: Reprodução/Microsoft)
E por mais que a companhia não tenha comentado nada sobre o assunto, a explicação foi dada em entrevistas seguintes. O problema é que, mais uma vez, tivemos respostas vagas que explicam menos do que deveriam e que abrem brechas para novos rumores e especulações.
A versão oficial, detalhada por Major Nelson, é que o Xbox One não precisa estar sempre conectado, embora ele precise estar em uma rede para funcionar. Por mais confuso que isso pareça ser, a razão para essa “pseudoexigência” é o uso de serviços nas nuvens, que vão trazer novas possibilidades e melhorar o desempenho do sistema.
Além disso, muitos dos recursos exclusivos — como os relacionados à TV e ao novo sistema operacional, como a própria autenticação de usuário — têm uma base online e isso faz com que o aparelho precise se conectar uma vez a cada 24 horas. Tanto que Phil Harrison comentou que, se você estiver em uma base militar ou qualquer outro lugar sem conexão, você não será capaz de usar o Xbox One. O mesmo acontece com os jogos, já que o tal código está associado à sua conta na Live.
E ao contrário dos primeiros modelos do 360, ele já vem com suporte a conexão Ethernet e a redes WiFi.

3. O Kinect precisa estar sempre conectado para o video game funcionar?

Sim. Como apresentado pela Microsoft em seu evento de anúncio do Xbox One, o novo Kinect agora é considerado uma parte integrada do sistema e, por conta disso, ele precisa estar conectado ao aparelho para que tudo funcione normalmente. A boa notícia é que ele já vem incluso no pacote, então você não precisará pagar a mais para adquirir o acessório.
Xbox One: 13 perguntas e respostas sobre o novo console (Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)
Além de ser muito mais preciso que a primeira versão do sensor de movimento, ele é responsável por boa parte da interação entre o jogador e o console. Isso inclui desde a autenticação visual — o One vai se conectar à Live automaticamente ao reconhecer seu rosto — até novos tipos de experiência, como o total controle da interface a partir de gestos.
Por outro lado, isso não significa que todo jogo vai exigir o periférico em sua jogabilidade. Como Phil Harrison explicou ao site Eurogamer, são os desenvolvedores que vão determinar quando o sensor deve ou não ser necessário, uma vez que o importante é que ele acrescente algo relevante à mecânica.

4. Como vai funcionar o sistema de TV no Xbox One?

Por mais que muita gente tenha torcido o nariz para a novidade, a principal arma da Microsoft para esta nova geração é a integração que o sistema terá com serviços de TV. A ideia é que o console seja, na verdade, uma central tudo em um — por isso o nome “One” — de entretenimento, unificando todas as mídias de sua sala de estar.
No entanto, isso não significa que a Microsoft criou um receptor para sua televisão. Por mais que o design do video game lembre muito um dispositivo do gênero, você ainda precisará ter um contrato com uma operadora de TV a cabo para que o sinal chegue na sua casa. O que o Xbox One vai fazer é transmitir o conteúdo enviado por esse receiver a partir de uma entrada HDMI presente no console.
Xbox One: 13 perguntas e respostas sobre o novo console (Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)
Você deve estar se perguntando por que diabos você vai usar um segundo recurso para fazer algo que o primeiro já faz, não é mesmo? Como a empresa não quer que você desligue o console em momento algum, ela trouxe alguns incentivos para que você assista à sua novela pelo One sem cogitar ir para o “serviço tradicional”. Exemplo disso é a grande variedade de conteúdos exclusivos que o sistema oferece a partir de sua conexão à internet, além de muito material nativo.
Rumores ainda apontam que os próprios comerciais devem ser repensados, criando conquistas que obriguem o espectador a estar atento à publicidade.

5. E cadê os jogos?

De fato, a conferência da Microsoft deixou bastante a desejar em termos de anúncios de jogos. No entanto, não é porque os games tiveram pouco destaque durante evento que eles serão deixados de lado em todo o console.

Video Link

A empresa já prometeu trazer muitas novidades durante a próxima E3 — que começa em exatas duas semanas —, com direito a muitos anúncios e revelações surpreendentes. Isso sem falar que o One deve receber 15 títulos exclusivos só em seu primeiro ano de mercado, o que já é um ótimo incentivo para os fãs da marca. E levando em consideração que o Xbox 360 teve poucas séries para chamar de suas, saber que a situação está mudando é uma ótima notícia.
Para saber um pouco mais sobre os futuros lançamentos do Xbox One, você pode conferir nosso artigo sobre seus primeiros anúncios.

6. Vou poder aproveitar minha biblioteca do Xbox 360?

Infelizmente, não — o que significa que você já pode procurar um novo lugar para guardar sua coleção. Segundo a Microsoft, o Xbox One foi feito para rodar uma nova geração de games e que, por conta disso, não faz sentido trazer aquilo que os jogadores já viram.
Xbox One: 13 perguntas e respostas sobre o novo console (Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)
O vice-presidente da Xbox Live, Marc Whitten, explicou que a “culpa” disso é a nova arquitetura usada no console. Como a tecnologia usada no aparelho é completamente diferente de seu antecessor não haveria como trazer esse recurso na nova geração.
E para finalizar as esperanças de uma vez por todas, o presidente da divisão Xbox da empresa, Don Mattrick, comentou que “quem pensa na geração passada, vive na geração passada”.

7. Posso trocar o HD do meu video game?

O Xbox One virá com um disco rígido de 500 GB pré-instalado de fábrica, o que significa que você terá espaço o suficiente para instalar dados jogos por um bom tempo sem se preocupar com trocas. No entanto, no dia em que isso acontecer, você não poderá substituí-lo, já que a empresa garantiu que esse recurso não estará disponível.
Para compensar isso, o console reconhecerá qualquer tipo de HD externo que você conectar. E se lembrarmos que o aparelho já conta com entradas USB 3.0, podemos contar com uma boa taxa de transferência de dados.

8. O que mudou no controle?

O novo joystick mudou pouquíssima coisa. Seu visual foi levemente redesenhado para que sua pegada fosse melhorada — diga adeus àquele calombo na parte traseira —, suas alavancas analógicas receberam uma textura que deve tornar seu uso mais firme e o D-Pad deixou de ter os “braços diagonais” e vai finalmente favorecer os jogos de luta.
Xbox One: 13 perguntas e respostas sobre o novo console (Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)
Talvez a maior novidade tenha ficado por conta do novo sistema de vibração. De acordo com os relatos de quem já testou o controle, ele agora possui um sistema de resposta direto nos gatilhos, o que deve trazer uma experiência diferenciada nos comandos.
Além disso, ele substitui os clássicos Start e Select pelas teclas Menu e View — uma mudança que, na prática, não fará muita diferença. Por mais que a Microsoft tenha se dado ao trabalho de explicar as funções de cada um dos botões, eles continuam funcionando exatamente como suas predecessoras.
E sim, as pilhas voltaram.

9. E os meus periféricos do 360?

Talvez a única parte ruim desta nova geração em relação aos joysticks é que ela não terá suporte aos acessórios do Xbox 360, incluindo controles, headsets e toda a quinquilharia que você acumulou nos últimos anos.

10. Qual a mídia usada?

Conforme anunciado, o Xbox One vai finalmente adotar o Blu-ray como mídia padrão, o que significa um ganho considerável em relação ao DVD do 360. Por outro lado, a Microsoft já confirmou que os jogos da nova geração terão trava de região, acabando com o sonho de muita gente de importar seus jogos da Europa ou da Ásia — uma prática bem comum atualmente.

11. O que vai mudar na Live?

Para o jogador, pouca coisa. Sua Gamertag e seu Gamersocre serão levados para a nova geração, assim como suas conquistas, e você não precisará refazer sua assinatura ou pagar alguma taxa extra. Todos os dados já utilizados na Live atual serão reutilizados na nova geração, fazendo com que a transição seja o mais tranquila possível.
Xbox One: 13 perguntas e respostas sobre o novo console (Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)
Por outro lado, a loja deve receber algumas mudanças. As divisões entre Xbox Live Arcade e a área destinada para Games Indies deixarão de existir e farão parte de uma única área para jogos.

12. Como ficam os indies?

Outra polêmica. A Microsoft anunciou que, para um título ser distribuído na Live, ele precisa ser publicado por alguma empresa — o que, em teoria, mata o conceito de desenvolvimento independente. Isso gerou revolta entre os desenvolvedores, que criticaram a decisão por considerarem-na burocrática e restritiva. Segundo eles, a medida vai impedir que muitos bons jogos cheguem à loja por não ser possível a autopublicação.

13. Quando ele vai ser lançado? E por quanto?

A promessa é que o Xbox One chegue ao mercado ainda no final deste ano. A data exata ainda não foi revelada, mas podemos esperar algo próximo da metade de novembro, já que a ideia é bater de frente com o PS4 e, de quebra, pegar carona nas compras de Natal.
Além disso, a Microsoft comentou que essa previsão é para todo o mundo, então podemos esperar algo próximo disso também no Brasil.

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

A China vai conseguir construir o prédio mais alto do mundo em 90 dias?

A corrida para construir o prédio mais alto do mundo cresceu muito nos últimos anos. Como os alpinistas na década de 1930, ou os astronautas nos anos 1960, construtores lutam para superar uns aos outros e também se esforçam para conseguir algo mais profundo – algo que gere um orgulho nacional (ou talvez econômico). Mas o plano chinês para construir o maior prédio do mundo em alguns meses pode levar a corrida arquitetônica para outro caminho.

Até certo ponto, a competição amigável existe desde que a fundação permitiu a partir do fim do século XIX a construção de prédios mais altos do que alguns andares. Mas em uma época em que “alto” significa super-alto (ou mega-alto), as coisas começam a ficar mais interessantes, especialmente do ponto de vista da logística. Demorou seis anos par ao Burj Khalifa, com 829 metros de altura, ser construído, e ele é o atual campeão em altura. Demorou oito anos para o segundo mais alto, o Abraj Al Bait, e sete para o One World Trade. A construção desses arranha-céus são lentas e ineficientes – e insustentáveis economicamente.
Mas na China, uma empresa chamada Broad Sustainable Building Corporation – liderada por um excêntrico CEO chamado Zhang Yue – afirma ter resolvido o problema usando peças pré-fabricadas. Você deve se lembrar de Broad da impressionante demonstração de 2012 quando a empresa construiu um prédio de 30 andares em apenas 15 dias. “A construção tradicional é caótica”, explicou Yue em um fascinante perfil na Wired publicado no ano passado. “Nós pegamos a construção e levamos para a fábrica.”
Ano passado, a Broad anunciou planos para construir o prédio mais alto do mundo, o Sky City One, em apenas três meses (sete, se você considerar o trabalho de montagem em fábricas). Usando 100& de peças pré-fabricadas, segundo afirmação da empresa, o prédio seria levantado em uma taxa de cinco andares por dia. E, na semana passada, a Broad reforçou a sua afirmação, lançando uma nova renderização e anunciando que a construção está para começar. Na verdade, como o gerente geral da Broad nos Estados Unidos Sunny Wang me disse pelo telefone, a construção será iniciada dentro de alguns meses. “Ainda está na fase de conseguir a permissão de construção”, ele disse. “Esperamos começar em setembro.”
original (2)
Sky City vai ter 150 andares a mais do que os maiores prédios pré-fabricados do mundo. Isso porque construções pré-fabricadas não são muito boas em lidar com força lateral (ou aquele movimento de lado a lado), como o vendo. Torres pré-fabricadas são normalmente feitas de pilhas de módulos d aço. Isso é ótimo para cargas verticais, mas quando o vento sopra, há pouca estrutura para impedir que a coisa caia. Qualquer pessoa familiarizada com as leis da física estaria cética dos planos da Broad – e especialistas também estão. “Quando olho para os desenhos do edifício Sky City One, não consigo ver nenhuma provisão para elementos estruturais”, dis Bart Leclercq, chefe de design de estruturas da WSP Middle East.
O maior prédio pré-fabricado da América do Norte, a B2 Tower, que vai ser erguida em Nova York neste ano, vai atingir apenas 30 andares. Curiosa para saber o que os especialistas por trás do projeto tinham a falar sobre a proposta do Sky City, fui atrás de Tony Colonna, vice-presidente de operações de pré-fabricação da Skanska, a empresa por trás do B2. “O que é fundamentalmente diferente sobre o B2 é que desenvolvemos o módulo estrutural primeiro”, ele disse. “Frequentemente o que nós vemos é um arquiteto projetar um prédio onde o pré-fabricado vem depois, e o que você deve fazer é pegar um design arquitetônico tradicional e tentar quebrá-lo e modularizá-lo.” Em vez disso, com o B2, a Skanska e a empresa de engenharia estrutural Arup desenvolveram uma “espinha” de aço que estabiliza os blocos modulares individuais. Quando perguntei a ele sobre a Broad, ele estava otimista com cautela, adicionando que “o desafio de crescer verticalmente é uma questão de design.”
Vamos deixar a descrença de lado por um segundo e pensar – como Colonna sugeriu – que atingir 220 andares em dois meses é apenas uma questão de planejamento. Eis como isso vai acontecer. A Broad pré-fabrica os módulos em uma fábrica, incluindo tudo desde canalização até azulejos. Estes blocos parecidos com Lego, com cerca de 15 metros por 3.6 metros, são embalados junto com as caixas de hardware necessários para protegê-los, incluindo suportes verticais, que são a grande inovação da Broad: colunas de aço que brotam em “pernas” diagonais em cada extremidade. Esses pacotes de estrutura e chão são levantados por um guindaste no local, onde trabalhadores prendem a uma velocidade alucinante. Será o suficiente para suportar ventos e terremotos a mais de 830 metros acima da Terra? “Do ponto de vista técnico, é totalmente seguro, e foi aprovado pela equipe técnica”, diz Wang.
original (1)
Imagem via Wired

Mesmo se o Sky City nunca superar 30 andares, pode não importar muito. A única coisa radical no plano da Broad está na logística. Zhang Yue descreveu suas missões em sustentabilidade – uma jornada para fazer a construção desperdiçar menos – e é difícil argumentar que ele não está atrás disso. A empresa estima que um prédio desse tamanho pré-fabricado vai gerar 100 vezes menos lixo do que uma construção tradicional. Como Wang me explicou, também tem uma lógica urbana na ideia. “Colocar toda uma cidade em um arranha-céus economiza muita energia”, ele diz, adicionando que a Broad pretende levar o método para outros países além da China. “Não é difícil entender, e é fácil de copiar. Eu acho que este é o modelo para o futuro dos prédios.”
É fácil descartar a Sky City com base nos seus precedentes, mas é difícil não se encantar com o plano audacioso. E além de tudo, as pessoas não diziam a mesma coisa em 1880, quando as primeiras estruturas de aço com dez andares subiram assustadoramente na paisagem urbana vitoriana? Em relação à estrutura, apenas o tempo dirá. “No momento, não está claro para mim como eles planejam fazer isso funcionar, mas estou muito interessado em descobrir”, disse Leclercq após discutir os planos. “Nunca estamos velhos demais para aprender.”
original (1)
original
original

0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

Porque Usar Linux?

Olá Galera Do Todos Tutoriais Web , Estou Estudando Linux , E Vou Te Dar 10 Motivos Para Você Usar Também ! , Mas Primeiro Precisamos Saber Oquê É Linux?

O que é GNU/Linux

Tux - mascote do Linux Linux é um sistema operacional, programa responsável pelo funcionamento do computador, que faz a comunicação entre hardware (impressora, monitor, mouse, teclado) e software (aplicativos em geral). O conjunto de um kernel e demais programas responsáveis pela comunicação com este é o que denominamos sistema operacional. O kernel é o coração do Linux.

Uma distribuição do Linux nada mais é que o conjunto de kernel, programas de sistema e aplicativos reunidos num único CD-ROM. Hoje em dia temos milhares de aplicativos para a plataforma Linux, onde cada empresa responsável por sua distribuição escolhe os aplicativos que deverão estar incluídos em seu CD-ROM.

Agora Vamos Saber Mais Sobre o Projeto GNU

O projeto GNU



GNU is Not Unix!
Muitos conhecem e divulgam o sistema operacional do pinguim apenas como Linux, porém o termo correto é GNU/Linux. Em palavras simplificadas, Linux é apenas o kernel do sistema operacional, ele depende de uma série de ferramentas para funcionar, a começar pelo programa usado para compilar seu código-fonte. Essas ferramentas são providas pelo projeto GNU, criado por Richard Stallman.

Em outras palavras, o sistema operacional tratado neste documento é a união do kernel Linux com as ferramentas GNU, por isso o termo GNU/Linux.

Para entendermos melhor essa relação entre GNU e Linux, Richard Stallman e Linus Torvalds, recomendo a leitura dos seguintes artigos:

Agora que ja sabemos oque é linux vamos aos dez motivos para você também usar linux :


1 - Liberdade: você tem a liberdade de escolher, dentre muitos distribuições que tem um custo mínimo, ou mesmo completamente grátis, sem cobrança de licenças ou medo de violar patentes ou pirataria, porque o Linux está sob proteção da licença GNU GPL.

2 - Estabilidade: O Linux tem uma performance de alto nível, com pouca probabilidade de bloquear o sistema. Os problemas normalmente só ocorrem por problema de hardware e não do sistema operacional.

3 - Segurança: não existe qualquer outro sistema com o nível de segurança do Linux. As poucas vulnerabilidades não afectam o sistema Linux da mesma forma que afectam o Windows justamente porque a arquitetura dos sistemas e a concepção é totalmente diferente e quaiquer problemas são resolvidos muito rapidamente.

4 - Eficiência em Redes: uma das características mais comentadas do Linux é a eficência quando se trata de redes. Linux, além de confiável, suporta quase todos tipos de protocolos como TCP/IP, ISPX/SPX, ISDN, PPP, SLIP, PLIP, Apple Talk Protocol Suite, etc.

5 - Fácil Instalação: hoje as instalações de Linux das distribuições mais populares e avalidas tem muitas facilidades para instalação com procedimentos que dão controle sobre o que você quer instalar no seu computador.

6 - Flexibilidade: seguindo a facilidade da instalação, no Linux você tem a flexibilidade de customizar no seu sistema somente com o que realmente te interessa e o que realmente você vai usar.

7 - Actualizações gratuitas: a grande quantidade de atualizações, pacotes e repositórios (mirrors) e sites especializados para que se sistema sempre esteja bem atualizado.

8 - HardDisk: sim, o Linux é um sistema que otimiza ao máximo o uso do seu HardDisk, não esquecendo de um bit sequer.

9 - Suporte Técnico: para os que dizem que a deficicência do Linux é o suporte, esquecem que há milhares senão milhões de técnicos, usuários ou curiosos dispostos a ajudar na solução de qualquer problema (via fóruns e listas).

10 - Escolha do Gigantes: a popularidade e o poder do Linux pode ser estimado pela conquista de grandes empresas como IBM, HP, Cisco, Shell e pela enorme quantidade de Governos que estão usando, migrando ou testando Linux em seus sistemas e plataformas a NASA usa FEDORA!!!.

Linux - Porque Amamos a Liberdade!!!!!

Informações Adicionais :

GNU/Linux x Windows

A diferença mais marcante entre Linux e Windows é o fato do Linux ser um sistema de código aberto, desenvolvido por programadores voluntários espalhados por toda internet e distribuído sob a licença pública GPL. Enquanto que o Windows é software proprietário, não possui código-fonte disponível e você ainda precisa comprar uma licença pra ter o direito de usá-lo.

Você não precisa pagar nada para usar o Linux! Não é crime fazer cópias para instalar Linux em outros computadores. A vantagem de um sistema de código aberto é que ele se torna flexível às necessidades do usuário, tornando assim suas adaptações e "correções" muito mais rápidas. Lembre-se que ao nosso favor, temos milhares de programadores espalhados pelo mundo pensando apenas em fazer do Linux um sistema cada vez melhor.

O código-fonte aberto do Linux permite que qualquer pessoa veja como o sistema funciona, corrija algum problema ou faça alguma sugestão sobre sua melhoria, esse é um dos motivos de seu rápido crescimento, assim como da compatibilidade com novos hardwares, sem falar de sua alta performance e de sua estabilidade.

Distribuições GNU/Linux

O Linux possui vários sabores e estes são denominados distribuições. Uma distribuição Linux nada mais é que um kernel acrescido de programas escolhidos a dedo pela equipe que a desenvolve. Cada distribuição Linux possui suas particularidades, tais como forma de se instalar um pacote (ou software), interface de instalação do sistema operacional em si, interface gráfica, suporte a hardware. Então resta ao usuário definir que distribuição Linux atende melhor suas necessidades.

GNU/Linux e sua interface gráfica

O sistema X-Window (sim! sem o "s"), também chamado de X, fornece o ambiente gráfico do Linux. Diferentemente do Macintosh e Windows, o X torna o gerenciador de janelas (a interface visual em si) um processo separado. Na verdade, a vantagem de separar o gerenciador de janelas é que você pode escolher entre uma variedade de gerenciadores existentes para Linux o que melhor lhe convém, tais como Gnome, KDE, XFCE dentre outros.

A história do GNU/Linux

O sistema Linux tem sua origem no Unix, um sistema operacional multitarefa e multiusuário que tem a vantagem de rodar em uma grande variedade de computadores.

O Linux surgiu de forma muito interessante. Tudo começou em 1991, quando um programador finlandês de 21 anos, Linus Benedict Torvalds, enviou a seguinte mensagem para uma lista de discussão na Internet: "Olá para todos que estão usando Minix. Estou fazendo um sistema operacional free (como passatempo) para 386, 486, AT e clones". Minix era um limitado sistema operacional baseado em Unix que rodava em microcomputadores maquiavélicos como o AT. Linus pretendia desenvolver uma versão melhorada do Minix e mal sabia que seu suposto "passatempo" acabaria num sistema engenhosamente magnífico. Muitos acadêmicos conceituados ficaram interessados na idéia do Linus e, a partir daí, programadores das mais variadas partes do mundo passaram a trabalhar em prol desse projeto. Cada melhoria desenvolvida por um programador era distribuída pela Internet e, imediatamente, integrada ao núcleo do Linux.

No decorrer dos anos, este trabalho árduo e voluntário de centenas de sonhadores tornou-se num sistema operacional bem amadurecido e que hoje está explodindo no mercado de servidores corporativos e PCs. Linus, que hoje coordena uma equipe de desenvolvedores do núcleo de seu sistema, foi eleito em pesquisa pública a personalidade do ano de 1998 do mundo da informática.


Como obter o GNU/Linux

Uma vez escolhida a distribuição Linux que você utilizará, o próximo passo é fazer o download de uma imagem ISO para gravação e instalação em seu computador. É extremamente recomendável optar por uma distribuição Linux popular, bem testada e na qual você encontrará documentação abundante na internet caso precise de ajuda. A seguir temos uma lista compilada com artigos que lhe auxiliarão na instalação do Linux.

Ubuntu GNU/Linux

Ubuntu é uma das distribuições Linux mais populares da atualidade e isso se deve ao fato dela se preocupar muito com o usuário final (desktop). Originalmente baseada no Debian Linux, diferencia-se além do foco no desktop, em sua forma de publicação de novas versões, que são lançadas semestralmente.

openSUSE GNU/Linux

openSUSE Linux é a versão livre do belíssimo sistema operacional Novell SuSE. Além de se comportar de forma muito estável e robusta como servidor, também é muito poderoso quando o assunto é desktop.

Seu diferencial é o famoso YaST (Yeah Another Setup Tool), um software que centraliza todo o processo de instalação, configuração e personalização do sistema Linux. Podemos dizer que esta é uma das cartas-mestre do SuSE, pois pode se comparar ao painel de controle do Windows.

Sobre o YaST:

YaST talvez seja a mais poderosa ferramenta de gestão do ambiente Linux. É um projeto open source patrocinado pela Novell e ativamente em desenvolvimento.

O desenvolvimento do YaST começou em janeiro de 1995. Ele foi escrito em C++ com um ncurses GUI por Thoamas Fehr (um dos fundadores SuSE) e Michael Andres.

YaST é a ferramenta de instalação e configuração para openSUSE, SUSE Linux Enterprise e o antigo SuSE Linux. Possui uma atraente interface gráfica capaz de personalizar o seu sistema rapidamente durante e após a instalação, podendo também ser utilizada em modo texto.

YaST pode ser usado para configurar o sistema inteiro, como por exemplo configurar periféricos como: placa de vídeo, placas de som, rede, configurar serviços do sistema, firewall, usuários, boot, repositórios, idiomas, instalar e remover softwares etc.

Debian GNU/Linux

Debian é uma das distribuições Linux mais antigas e populares. Ela serviu de base para a criação de diversas outras distribuições populares, tais como Ubuntu e Kurumin.

Slackware GNU/Linux

Slackware Linux, junto com Debian e Red Hat, é uma das distribuições "pai" de todas as outras. Idealizada por Patrick Volkerding, Slack - apelido adotado por sua comunidade de usuários - tem como características principais leveza, simplicidade, estabilidade e segurança.

Embora seja considerada por muitos uma distribuição difícil de se usar, voltada para usuário expert ou hacker, possui um sistema de gerenciamento de pacotes simples, assim como sua interface de instalação, que é uma das poucas que continua em modo-texto, mas nem por isso se faz complicada.

Se você procura por uma distribuição Linux voltada para servidor, deseja aprofundar seus conhecimentos no Linux ou procura um desktop sem frescuras, Slack é pra você!

História do Slackware Linux:

Slackware Linux foi criado por Patrick Volkerding em 1993 (algumas fontes dizem 1992). Foi baseada na distribuição SLS Linux (Softlanding Linux System) e era fornecida em forma de imagens para disquetes de 3.5 polegadas.

É a distribuição Linux mais antiga e ainda ativa. Até 1995 era considerado como o "Linux padrão", mas sua popularidade diminuiu muito depois do surgimento de distribuições mais amigáveis. Mesmo assim o Slackware continua sendo uma distribuição muito apreciada e respeitada, pois não mudou sua filosofia, continua fiel aos padrões UNIX e é composta apenas por aplicações estáveis.

Em 1999 a versão do Slackware Linux pulou de 4.0 para 7.0. Uma jogada de marketing para mostrar que o Slackware estava tão atualizado como as outras distribuições Linux. Acontece que muitas distribuições tinham versões bem elevadas, e isso podia causar a impressão de que o Slackware estava desatualizado. A demora para lançamento de novas versões do Slackware também contribuiu para isso.

Em 2004 Patrick Volkerding esteve seriamente doente - com um tipo de infecção, e o desenvolvimento do Slackware tornou-se incerto.

Muitos acharam que ele iria morrer. Mas ele melhorou e retomou o desenvolvimento do Slackware, embora não esteja completamente curado até hoje.

Em 2005 o ambiente gráfico GNOME foi removido do projeto Slackware Linux, o que desagradou muitos usuários. A justificativa de Patrick foi de que leva-se muito tempo para empacotar os binários. Porém, muitas comunidades desenvolvem projetos de GNOME para o Slackware. Alguns exemplos de projetos são: Gnome Slackbuild, Gnome Slacky e Dropline Gnome. Por isso, Gnome de alta qualidade é o que não falta para o Slackware, apesar de não ser um ambiente nativo.

Em 2007 foi lançada a versão 12.0 do Slackware Linux, uma versão inovadora e que de certa forma causou algumas controvérsias. Foi a primeira versão do Slackware que foi um pouco contra a sua própria filosofia. Primeiro, porque passou a montar dispositivos automaticamente, segundo porque alguns pacotes antigos não eram mais compatíveis coma a nova versão devido ao novo GCC 4.1.2. e por último, porque foi a primeira versão a vir com a última versão do Kernel (na época).

Vale destacar também que a versão 12.0 vem com Compiz instalado, mas que por falta de ferramentas gráficas para configuração, muitos usuários não sabiam como usar.

Enquanto esse artigo está sendo digitado, a versão atual do Slackware Linux é a 12.1. Ela não difere muito da 12.0, basicamente houve várias atualizações de aplicativos e do kernel. A maior novidade agora é que a versão corrente do Slackware tem disponível os pacotes do ambiente gráfico KDE 4.1. Muitos usuários acostumados com o KDE 3.5 não gostaram das modificações, mas uma coisa é certa: o visual do KDE 4.1 é muito mais atraente que o do 3.5.

Kurumin GNU/Linux

Idealizada por Carlos Morimoto, Kurumin é uma das distribuições Linux mais usadas em território nacional. Originalmente baseada no Knoppix, que veio do Debian Linux, esse sistema operacional se destacou por ser um desktop fácil de se instalar e agradável de se usar.

Sua característica mais marcante são os ícones mágicos, que transformam tarefas relativamente complexas (hoje nem tanto) como configurar um modem ou instalar um codec de vídeo numa experiência NNF (next, next, finish), como no Windows.

Fedora GNU/Linux

"Fedora é uma das mais populares e estáveis distribuições Linux que existem atualmente. Ele era, no começo, um fork para a comunidade, liberado e mantido pela gigante Red Hat que, na época, estava fechando seu sistema e concentrando-se no mercado corporativo. Isso significa que, desde o princípio, o Fedora já contava com o que há de mais moderno em tecnologia de software, assim como também contava com uma das mais competentes e dedicadas equipes em seu desenvolvimento. Se o que você procura é uma distribuição com poderes de ser um servidor estável, mas com as facilidades das ferramentas de configuração gráficas, ou se, simplesmente, deseja um desktop mais robusto, o Fedora será a sua melhor escolha.

Ele conta com um ciclo de desenvolvimento rápido. A cada seis meses, em média, um novo Fedora Linux é liberado pelo Fedora Project para a comunidade. A própria comunidade em si é uma das mais ativas da internet e o Fedora conta com uma farta ajuda online, mesmo sem oferecer o suporte técnico direto da Red Hat.

O manuseio de pacotes é feito de forma inteligente e automática com a ajuda do YUM que cuida das atualizações e resolve as dependências de todos os pacotes, baixando o que for necessário ao sistema dos repositórios e gerenciando a instalação. Encontra-se para o fedora todo o tipo de aplicações, desde suites de escritório poderosas como o OpenOffice.org até players de vídeo e de áudio (MPlayer e Amarok) com execução de quase todos os formatos conhecidos e também uma generosa coleção de jogos, todos instaláveis com alguns simples cliques ou uma única linha de comando. "

CentOS GNU/Linux

"CentOS é uma distribuição Linux de classe Enterprise derivada de códigos fonte gratuitamente distribuídos pela Red Hat Enterprise Linux e mantida pelo CentOS Project.

A numeração das versões é baseada na numeração do Red Hat Enterprise Linux. Por exemplo, o CentOS Linux 4 é baseado no Red Hat Enterprise Linux 4. A diferença básica entre um e outro é o fornecimento de suporte pago na aquisição de um Red Hat Enterprise Linux. Funcionalmente, pode-se considerar os sistemas clones.

CentOS Linux proporciona um grande acesso aos softwares padrão da indústria, incluindo total compatibilidade com os pacotes de softwares preparados especificamente para os sistemas da Red Hat Enterprise Linux. Isso lhe dá o mesmo nível de segurança e suporte, através de updates, que outras soluções Linux Enterprise, porém sem custo.

Suporta tanto ambientes de servidores para aplicações de missão crítica quanto ambientes de estações de trabalho e ainda possui uma versão Live CD.

CentOS possui numerosas vantagens, incluindo: uma comunidade ativa e crescente, um rápido desenvolvimento e teste de pacotes, uma extensa rede para downloads, desenvolvedores acessíveis, múltiplos canais de suporte incluindo suporte em português e suporte comercial através de parceiros."

LinuxMint

A proposta do Linux Mint é ser uma distribuição de desktop com visual elegante, amigável, confortável de usar e bem atualizada.

A distribuição foi lançada inicialmente como uma variante do Ubuntu que contava com os codecs de mídia já na instalação. A evolução foi rápida e hoje é uma distribuição completa e bem resolvida, com ferramentas próprias de configuração, aplicativo de instalação de pacotes baseado na web, menus personalizados, entre outras características únicas e sempre com um visual bem clean e elegante.

O fundador, líder e principal desenvolvedor da distribuição se chama Clement Lefebvre, ele iniciou usando Linux em 1996 (Slackware) e vive na Irlanda.


Aplicativos para GNU/Linux

O Linux possui uma riqueza incomparável de aplicativos, oferecendo mais de uma solução à certas necessidades. A maior dificuldade está em encontrar um aplicativo que sirva às suas necessidades. Como há inúmeros aplicativos para as mesmas funções, eles apresentam certas características, estas que se adaptam ou não ao gosto do usuário, por isto temos tanta variedade de aplicativos disponíveis hoje em dia.

O fato de quase 100% dos aplicativos Linux serem Open-Source ajuda para que esta lista cada vez mais venha crescer. Dentre outras coisas, os aplicativos Linux permitem ser alterados conforme as necessidades dos usuários, por termos acesso liberado ao código-fonte deles.

Aplicativos GNU/Linux para escritório

OpenOffice.org

Um dos mais famosas e completas suítes para escritório disponíveis para Linux é o OpenOffice.org.

"OpenOffice.org é uma suíte de aplicativos para escritório livres multiplataforma, sendo distribuída para Microsoft Windows, Unix, Solaris, Linux e Mac OS X. A suite usa o formato ODF (OpenDocument) e é compatível com o formato do Microsoft Office.

O OpenOffice.org é baseado em uma antiga versão do StarOffice, o StarOffice 5.1, adquirido pela Sun Microsystems em Agosto de 1999. O código fonte da suite foi liberado dando início a um projeto de desenvolvimento de um software de código aberto em 13 de outubro de 2000, o OpenOffice.org. O principal objetivo era fornecer uma alternativa de baixo custo, de alta qualidade e de código aberto.

O OpenOffice.org é compatível com os formatos de arquivo do Microsoft Office. Por ser um software gratuito e de código aberto, será instalado por padrão no projeto PC Conectado, no qual microcomputadores a preços populares serão vendidos para pessoas de baixa renda no Brasil, com subsídios oferecidos pelo Governo. Também em Portugal o computador Portátil Magalhães é distribuído a todos os alunos das escolas do primeiro ciclo com o OpenOffice.org.

O projeto e o software são referenciados geralmente como "OpenOffice" mas, devido a um disputa de marca registada, a Sun foi obrigada a mudar o nome do software, que passou a se chamar "OpenOffice.org". No Brasil, até mesmo o nome OpenOffice.org causou problemas por semelhança com o nome "Open Office", já anteriormente registrado pela BWS Informática. Por isso, o OpenOffice.org não é distribuído no português do Brasil, sendo substituído pelo pacote BrOffice."






0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta

O windows 8 vai emplacar?


Desde que comecei a trabalhar com computadores, no fim dos anos 90, houveram como se sabem, muitas versões do Sistema operacional Windows, porém, na parte visual houveram poucas mudanças significativas em relação ao visual do sistema.
Entretanto, hoje, diariamente, no atendimento público nos deparamos com várias "reclamações" a respeito da dificuldade que os usuários possuem em relaçao ao adaptação ao novo modelo oferecido pelo Windows 8, já que até então, o menu iniciar e barra de tarefas por exemplo, eram bem parecidos. Desde então, há um questionamento a respeito de valer ou não a pena trocar ou atualizar seu windows antigo (XP, Windows 7), que  funciona bem, direitinho, com ganho de tempo e eficiência, pelo windows 8, que ainda oferece dificuldades tanto de adaptação, como instabilidades.

Bom, toda vez que falamos em mudar algo que "está dando certo", existe naturalmente um desconforto, isso é absolutamente natural, assim também acontece em relação à troca do Sistema, porém, o que se observa nesse caso, é uma "forçada de barra" da microssoft, para que o usuário comece a se acostumar com os novos modelos de layout, uma vez que, facilitará com toda a certeza também a adaptação ao "touch screen", que deve ser implantado e popularizado até mesmo em computadores residenciais e notebook nos próximos anos. Como sabemos, a tecnologia vive e ganha muito dinheiro oferecendo mudanças as vezes radicais, o que a princípio assusta, mas depois causa aceitação, "ja que todos mudaram, vou ter que me atualizar também" pensamos até mesmo de maneira subjetiva. Em relação a isso, muitas vezes resistimos e reclamamos, mas quem trabalha com isso sabe que o mercado é assim, (força a mudança até que todos mudem sem perceber), o que nos leva a crer que mais cedo ou mais tarde, todos estarão se acostumando com o windows 8, e essa jogada fatalmente alcançará os seus objetivos.

Dificuldades para empresas


Uma das dificuldades naturais na adaptação desses sistemas, sem dúvida alguma é que para empresas esse tipo de mudança acarreta perda de dinheiro, uma vez que existe a necessidade de se treinar o funcionário, de se treinar a equipe técnica, e perda de tempo até que todos estejam seguros, e não se esqueçam que no mundo corrido dos negócios "tempo é dinheiro", e é mesmo. Pense por exemplo, que em algumas empresas algum dias ou semanas são de extrema cobrança e correria, por relatórios, controles financeiros, etc, pense que nessas empresas houve a troca do sistema, e há dificuldades nessas adaptações, imagine o tempo perdido e dor de cabeça para resolver problemas que antes não existiam, quando todos estavam adaptados ao sistema anterior, como o windows XP, que é amplamente usado ainda hoje em muitas empresas, por se tratar de um sistema leve, que não demanda tanta qualidade em hardware.

Já nas residencias!!!


A jogada que percebemos é que, na maioria das vezes, o cidadão comum adquire seu computador em alguma loja magazine, que por sua vez, costumam já vender computadores com sistemas operacionais novos no mercado, como estratégia de marketing para as lojas, mas principalmente como estrategia de distribuição do novo S.O. o que causa a aceitação lenta dos usuários domesticos, o que com o tempo vai se tornando mais e mais aceitável até a aceitação completa.

E você? Qual sua opinião sobre o Windows 8, comente e compartilhe com agente.


0 comentários:

Postar um comentário

comente e dê sua opinião! curta